Literatura filosofia humor poesia



sexta-feira, 10 de junho de 2016

A canção da madeira

1


O tenue horizonte de um plano é quase claro.

Meus amigos e eu temos tido um tempo duro
Contundindo nossas mentes contra a corrente.
Há os velhos lobos e os sórdidos mágicos.

Agora dá para ver, estamos no barco dois a dois
Apenas o brio como ferramenta para lidar.
Ao que está muito perto é difícil de acostumar-se:
O amor pode envergar o barco.

A madeira está cansada; a madeira é velha
E estaremos bem, se o clima aguentar.
Mas, se o clima aguentar, teremos perdido o ponto:
É lá que preciso ir.

De jeito maneira, a construção deste intrincado plano
Foi feito por outra que não a mão maior,
Com um amor que ultrapassa todo o nosso entendimento,
Olhando de perto nossa jornada.

Sim, mas do que se precisa para cruzar a grande divisória?
Parece mais do que toda a coragem que posso manejar
Mas nós temos que ter certas respostas, quando do outro lado:
O prêmio sempre vale a turbulenta navegada

Às vezes eu suplico por espiar em minúcia maior,
Pular para o derradeiro capítulo da história
E espero que isso nos desvie de alguma dor que nos tomou
Para irmos assim tão longe, tão longe

Mas minha súplica afoga-se na sua futilidade;
Até eu tenho que rir de mim:
Ninguém se livra da tempestade que está porvir
Apenas por agarrar-se ao timão.

O ténue horizonte de um plano é quase claro
Todos temos passado por tempos difíceis
Nos exaurimos contra o que nos assombra
São muitas más índoles e por demais infortúnios

Estamos neste barco todos juntos
Apenas o coração como ferramenta de remar.
Estar tão próximo desgasta:
Tanto querer pode envergar o barco.

A natureza é frágil, ela está cansada
Podemos nos safar, se o clima aguentar
Mas se o clima aguentar, teremos perdido o ponto
E é lá que precisamos chegar

Alguém planejou este intrincado plano
Melhor do que nós
Fútil a arrogância de consertar
Tudo o que está além de nosso controle

Só nos resta mesmo remar com o coração:
Cuidando dos companheiros de viagem
E é preciso um coração forte e funcional
Para impulsionar o barco na direção certa.

Nossa conquista, ainda que pequena
Vale sempre o risco da viagem.
A olharmos sempre o destino,
Perderemos o sentido da jornada...: 




-

---------------------------------------

1 Música: Indigo Girls (1994). The Wood Song. Epic: Swamp Ophelia. Tradução: ghfranco

2 Imagem: Fernanda Gervasoni (2016). Frase e Edição: ghfranco




Nenhum comentário:

Receba atualizações por e-mail (vá, não são mais de 2 posts por mês)