Literatura filosofia humor poesia



quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Adeus, solidão!

1


Eu não sei porque culpo tanto os outros,
quando há tanta coisa melhor a fazer.
A noite cai, a vida queda distante;
mas sou crescida, tenho minhas cicatrizes
e o dia nasce por si só.


A solidão ecoa, não é a primeira vez;
hoje tenho um cobertor; amanhã, a maçã -
para me sentir nova de novo,
e voltar a ser algo indispensável,
sorrir como se acreditasse na minha própria potência.


Eu preciso deste pecado -
se na vida não há o certo, cabe errar do meu jeito!
É isso o que sou, não pedi remédio -
mais veneno! Mais veneno!

----

Na perspectiva epistemológica individual, subjetiva (porque a subjetividade implica o individualismo, a singularidade da percepção), quando um morre, tudo morre. Daí a importância de adotar uma perspectiva intersubjetiva, na qual a validade social é possível.

[In the individualistic, subjective epistemological perspective (considering that subjectivity implies the individualism, the singularity of perception), when one dies, everything dies. Hence the importance of adopting an intersubjective perspective, in which the social validity is possible.]

2


---------------------------------------

1 Image by: Lilian Maus - N28 A-B, série Área de cultivo

2 Music by: Amy Winehouse - Tears dry on their own

domingo, 27 de outubro de 2013

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

Samuel Eggers

#VemPraRua
Cai um, vem dez.

Não será o mesmo, fará falta. Mas queremos melhor. Esse é nosso legado.
Qual é o melhor lado da história, Samuel? Isso é o que vamos tentar continuando descobrir.
É certo que é tempo de rebeldia, sem visão estreita, raivosa ou dogmática. Vamos lá, temos muito a mostrar e conquistar.



Old man, I am alive like you ARE
Véio, tou tão vivo quanto tu!


Texto dele: Sobre os "dois lados" da história


Nesses tempos complicados que vivemos, e que exigem atenção e pensamento crítico (será que existiu algum tempo que não fosse assim?), justa e frequentemente somos lembrados dos perigos de uma visão de mundo estreita, raivosa e dogmática. E o aviso mais frequentemente usado para nos lembrar disso é a frase "sempre existem dois lados".
Eu detesto esta afirmação.
Assim mesmo.
Detesto-a por vários motivos. O mais pessoal é o cansaço que me dá de ouvir isso desde que me conheço por gente, ou seja, desde que aprendi a falar e me comunicar por meios verbais com o mundo ao meu redor. Seria bastante mesquinho da minha parte fundamentar meu desgosto com a afirmação acima baseado apenas em um sentimento pessoal, mas tenho argumentos mais racionais e epistemológicos para justificar-me.
Acredito que falar nos "dois lados de uma questão" é um jeito líquido e certo de nos induzir a pensar em falsas dicotomias. Este enquadre mental de isso ou aquilo acaba por simplificar e limitar qualquer discussão a apenas duas possibilidades, não necessariamente antagônicas. Do meu tempo de calouro da faculdade, lembro das intermináveis e inúteis discussões "terapia cognitivo-comportamental vs. psicanálise" (também representada numa das paredes do nosso diretório com o dramático nome de "a psicanálise versus o resto do mundo"), ou mais recentemente, "médicos vs. outros profissionais da saúde" (dicotomia esta que o Conselho Federal de Medicina vem lamentavelmente incentivando, ao invés de fazer propostas mais interessantes do que a vitimização da classe que representa).
Esta afirmação também é um insulto às nossas capacidades cognitivas, pois dá a entender que nós vemos apenas metade do mundo, como se permanentemente tivéssemos um dos olhos vendados, e sempre enxergássemos ou a direita, ou a esquerda. Acredito ser mais adequado dizer que sempre enxergamos o mundo como uma totalidade, mas que, por causa de nossas histórias pessoais, tendemos a priorizar alguma forma de informação do que outras. Isto organizará nossos processos de tomada de decisão de maneiras bastante distintas, e portanto produzirá efeitos diferentes no mundo. Toda visão de mundo, por ser um produto da mente humana, é criada com base em uma compreensão limitada, e que não consegue apreender todas as informações disponíveis no universo cognoscível (isto é - que podemos de fato conhecer). Ainda assim, isto não quer dizer que as visões de mundo não são completas em si mesmo, por que baseadas em uma compreensão limitadas dos fatos como são, seus efeitos ainda serão globais.
Por fim, a teoria dos dois lados da verdade dá a entender que o melhor caminho para resolver qualquer disputa é o meio termo, ou a união das duas partes, e que não há nenhuma outra possibilidade de síntese. Para ficar em uma discussão que domino um pouco melhor, a solução para o debate "TCC vs. psicanálise" não é incentivar terapeutas cognitivos a trabalharem o Édipo de seus pacientes como sendo uma "crença disfuncional" distinta, nem os psicanalistas usarem o diálogo socrático ao invés da associação livre. Cada teoria, além de conter todos os componentes necessários para realizar intervenções, é baseada em fundamentos epistemológicos diferentes, e misturá-los significa confundir o raciocínio clínico por trás da intervenção. Em outras palavras, não vai ser "olhando os dois lados" que vai resolver essa questão. Embora às vezes a síntese é a fusão dos "dois lados", na maioria dos casos é necessário usar uma boa dose de pensamento lateral, e procurar a transcendência da questão em outras bandas, o que significa ir além dos dois pontos de vista à disposição.
Acredito que, para além de ficar falando "que toda questão tem dois lados", é necessário pensar nos objetivos que nos guiam. Tenho a impressão que, na maioria das discussões que vejo, a preocupação maior é em estar certo - o objetivo dos debatedores é causar o efeito de mostrar para o mundo que eles sabem mais do que os outros sobre o objeto da discussão, e que é secundário fazer algo de concreto. Acho que não estou dizendo nenhuma novidade com isto.
O que eu acredito que o papo de "olhar os dois lados da história" tenta incentivar (e fracassa miseravelmente) é uma postura mais aberta aos fatos do mundo, de que há mais de uma maneira de ver uma situação-problema. Podemos começar a fazer isto abandonando essa mania chata de pensar em dicotomias o tempo todo.
Disponível em: http://tempoderebeldia.blogspot.de/2013/09/sobre-os-dois-lados-da-historia.html 2013-09-13

sábado, 31 de agosto de 2013

Maldade de espírito

1

É não saber diferenciar o melhor do suficiente.

---
Evilness of spirit is not knowing to differentiate
the best from the sufficient

1 Image by: Joe Roberts - Horror/Nightmare's Reign

(2013-07-22)

terça-feira, 30 de julho de 2013

Andar para frente é deixar para trás

1
"guard against all fulness"
2

3

---
To walk forward is to leave behind

1 Quote by: Laozi - The Tao Te King. Translated by James Legge.
2 Music by: Os Paralamas do Sucesso (1999) - "Tendo a Lua". EMI Music: Acústico MTV. Track Number 13.
3 Image by: Wandering Soul Eddie - Ship Wreck Black Nab

sexta-feira, 24 de maio de 2013

Langsamer

*
**

***
“Material dependence implies intellectual servitude.
A man who merely obeys orders loses his pleasure in independent work,
his creative ability, his zest, his best qualities.”

*
"Si quieres un poco de mi
Me deberias esperar
Y caminar a paso lento
Muy lento
Y poco a poco olvidar
El tiempo y su velocidad
Frenar el ritmo, ir muy lento
Mas lento
Se delicado y espera
Dame tiempo para darte todo lo que tengo
Se delicado y espera
Dame tiempo para darte todo lo que tengo
Si quieres un poco de mi
Dame paciencia y veras
Sera mejor q andar corriendo
Levanta el vuelo
Si me hablas de amor
Si suavizas mi vida
No estaré mas tiempo sin saber que siento..."
---
1 Music by: Julieta Venegas (2008) - "Lento". Sony International: MTV Unplugged. Track number 9. Lyrics by: Julieta Venegas and Coti Sorokin
2 Image by: Lumi Mae and Apollyon2011 (2010) - "running running"
3 Quotation by: Schacht, H. H. G. (1956). "Confessions of the old wizard: the autobiography of Hjalmar Horace Greeley Schacht". Cambridge, MA: The Riverside Press. (p. 111)

sábado, 16 de fevereiro de 2013


A vida é muito curta para cometer um engano
A vida é muito curta para se arrepender
(Só há enganos enquanto a mente entende
Que é capaz de entender)
A vida é muito curta para construir uma razão
A vida é muito curta para viver sem emoção
Você sabe, quando você vai -
Tudo o que sei
É que seu nariz
É meu engano mais feliz

Receba atualizações por e-mail (vá, não são mais de 2 posts por mês)