Literatura filosofia humor poesia



domingo, 6 de dezembro de 2009

O que mais me assusta

E o que mais me causa medo
é o poder que tenho de te deixar triste.



Uau... Depois que pulei, é que me ocorreu...
A vida é perfeita - a vida é a melhor, cheia de magia, beleza, oportunidade e... televisão!... E surpresas ... montes de surpresas, sim. E então há o melhor, claro - melhor do que qualquer coisa que qualquer um tenha feito, porque é real...


Você pega um estranho pela mão -
Um homem que não entende
Seus sonhos mais selvagens

Você atravessa a areia suja
E oferece-lhe um oceano
Do que ele nunca viu...

Talvez eu fosse cego
Ou eu, eu poderia ter fechado os olhos,
Talvez eu fosse bobo,
Mas o que eu esqueci de dizer,
Se você não sabe,
É nunca me deixe ir.


Nunca me deixe ir
Nunca me deixe ir
Nunca me deixe ir


...Você corre do amor e não acredita,
A não ser que lhe pegue pelo calcanhar,
E, mesmo assim, você luta

Pelo vermelho eu aprendi a cruzar a orla
Suas pegadas ainda lá na areia
Tudo o mais pela maré tragado...

Eu posso não estar sozinho
Oh, eu, talvez tenha encontrado meu lar
Posso ter perdido meu caminho
Mas o que esqueci de dizer,
No caso de você não saber...
...Nunca me deixe ir

...Nunca me deixe ir...
...Nunca me deixe ir...


-
U2 & The Mdh Band - Never Let Me Go

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Filósofos-Artistas

Estão perdidos.


"Aye, we're good and lost now... For sure, you have to be lost to find a place that can't be found..."

Incidental art by Pirates of the Caribbean: At World's End -
Citation of Barbossa, Hector.

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Não te apaixones ainda...



Não te obceques ainda,
Recém me conheceste.
Verdade, estou apaixonado
Por ti mas
Podes decidir
Que sou maluco.
Dá-me uma semana ou duas
Para eu pirar o cuco -
E quando perceberes o erro
Podes correr em desespero
Como todo mundo.

Saiba logo que estou pra me engraçar
E se você tropeçar
Meu coração vai certamente quebrar.

Não seja tão doce,
Não haverá remédio
Não seja tão doce -
Não sou de ferro.
Não seja, a menos que queiras
Condenar meu coração
a bater em mim na tua mão.

The Magnectic Fields - Absolutely Cuckoo

quarta-feira, 30 de setembro de 2009



Onde estavas, Lugar?

Onde está você? De olhos cerrados lhe conheci. Mas quem é você? De olhos fechados me amaste. Foste clara e me esperaste quando eu quase nem mais tentava, de não mais acreditar. O que você passou? Você teve duas doenças e eu nem sei. Talvez três. O que passou por você? Eu te acolhi sem te ouvir ou entender. E eu queria aquela cor que a tua luz oferece ao que acontece. Eu quero aquele teu viço misterioso que nutre as plantas, que parece que crescem por você, e te abanam e te aconchegam. Não pude entrar em ti porque nunca sairia desse labirinto, sendo pétreo, mesmo leve como o ar. Não sei se posso te ter, não sei se esse é mais um texto que não mandei pra você. O que passou? O que passou por nós? Tenho medo de entender. Tenho medo de não conseguir e de conseguir. Tenho medo de cegar-me e de fechar os olhos por muito por não suportar. Tenho medo de tua doçura porque não tenho armas contra ela. Talvez foi teu sonho que me enlouqueceu. E me deixou acordado de pavor. E querendo com ânsia o impossível, como se num instante eu encontrasse o que me bastava para sempre, como se encontrasse o que me bastava para sempre de uma só vez. Nesses momentos era hora de minha infância acordar e suspirar perdida, e querer voltar a dormir para ter enganos doces onde estar extasiadamente satisfeito para sempre fosse possível, e saber que é preciso acordar para não deixar de procurar, não deixar a busca morrer, porque o tesouro está além e o pequeno fim de nós mesmos deve ser mesmo pequeno diante de tudo aquilo que se quer. E agora eu precisei falar contigo e dormias como um anjo que tu és. E tua mãe, judiciosa, não quis te acordar, e tampouco eu pude hesitar. E queria todas as cores do teu delírio, o que fez minhas órbitas marejarem e meu corpo tremer. O perigo que corro é depois de tudo o que fizer você não conseguir gostar de mim. Isso seria aterrador.
Onde é esse lugar, que é você?
Até tentei te ignorar. Depois até tentei esquecer. No entremeio, tentei fingir. A todo tempo, tentei fugir. E depois me olhavas como se eu fosse impossível... E já não havia onde esconder o tesouro, o tesouro que eu era, sem saber mas com todo o meu esforço inepto. E tua força erguias como um sol e era sólida como uma montanha, mesmo naquele olhar iludido... E tua voz me enlouquece, teu olhar me enlouquece, e eu choro apenas ou por um triz não choro, e quando te encontro fico histérico. Às vezes o que sinto ou não sinto é tão estranho que eu me assusto, e realmente receio ter perdido o tino. E tudo o que posso verdadeiramente perder é aquilo que você não sentir. Eu te amo mais do que posso escrever. E escrever é a coisa que mais sei fazer na vida. Eu te amo menos do que posso escrever. Eu te amo como não posso escrever. E quanto mais eu peço, em prece, que não sejas perfeita, mais o és, e quando rogo, por misericórdia, para que me abandones, tua imagem se fixa em minha mente escura e silente e não se apaga porque és a última luz, impossível de apagar, e eu fico obcecado perdendo as horas em devaneio, e a fome é pouca, o sono se esquece. Nesse consumidor instante és a tênue separação entre a vida e a morte. Entre o abandono absoluto ao nada e a esperança, parva, frívola, somente a necessária, mas ainda a impossível. Às vezes desejo ser cego, porque te ver é um suplício, mesmo a mim que entendo tudo sobre a felicidade. Te imaginar é insuportável. Mas a luz na minha mente só se apagaria junto comigo. Eu me ausento porque às vezes tuas lágrimas são a única coisa que faz sentido. E você me pediu pra eu te fazer chorar, e eu, que entendo tudo sobre a felicidade, não entendi o teu pedido. Quando me pediste pra te fazer chorar, eu te fiz sorrir. Perdi meus sentidos, e aquela fraca luz inebriou a sanidade.
Queria que se curasse essa vontade de solidão, ou só esse silêncio.
Viro um idiota e não quero que você vá embora. Querendo desesperadamente o que sei com toda a certeza que é impossível, apenas porque minhas fraquezas foram mais fortes do que eu, tomaram conta e aboliram a escolha. Gostaria de me perder em ti e que isso não fosse loucura... mas creio que só pensar isso já seja. Não sei mais pensar. Ficou difícil respirar de repente.
Fico tonto, a consciência torna-se insuportável. É difícil te amar. E por todos os momentos em que eu precisei de você... e talvez precises de mim... Pavor, pavor, pavor.

Longe

sábado, 29 de agosto de 2009

Senza te - insensatez

*

Tenho fome.
E te espero.
Apaixono-me por enganos.
Me sinto deprimido, me sinto mal
Porque és a melhor garota que já conheci.

Não consigo ganhar teu amor, sequer qualquer fração -
Oh, minha linda, reação psicótica!

Me sinto solitário noite e dia.

Não consigo teu amor, devo permanecer longe.

Bem, eu preciso de ti, garota, ao meu lado.

Não logro teu amor, não obtenho satisfação;
Oh, menininha, só me sobra a psicótica reação!

---
* - The Count Five - Psychotic Reaction
** - Imagens por Charlie Chaplin - The Gold Rush

terça-feira, 28 de julho de 2009

terça-feira, 30 de junho de 2009

La Belleza será comestible o no será



Burning Love; Salvador. Burning Giraffe, Elvis.

Girl, girl, girl, you
gonna set me on fire!
Cause your kisses lift me higher
And you fuel my morning sky - with burning love!
Uh-uh-uh, I feel my temperature raising!
Burning, burning,
burning - and nothing can cool me!
I just might turn into smoke
But I feel fine!...

sexta-feira, 29 de maio de 2009

Temps modernes, temps romantiques

Up on a hill is where we begin
This little story a long time ago
Stop to pretend, stop pretending
It seems this game is simply never-ending
Oh, in the sun, sun having fun...

The Strokes - The Modern Age


Day after day,
Alone on a hill,
The man with the foolish grin is keeping perfectly still
But nobody wants to know him,
They can see that he's just a fool
And he never gives an answer,

But the fool on the hill
Sees the sun going down,
And the eyes in his head
See the world spinning 'round.

Well on his way,
Head in a cloud,
The man with a thousand voices talking perfectly loud
But nobody ever hear him
or the sound he appears to make
and he never seems to notice,

And nobody seems to like him,
they can tell what he wants to do,
and he never shows his feelings...

The Beatles - The Fool on the Hill


And maybe I'm a fool for walking in line
Love is just a lie - it happens all the time...

The Magic Numbers - Love's a Game


I never loved nobody fooly...
Regina Spektor - Fidelity


Olha a luz que brilha de manhã
Saiba quanto tempo estive aqui
Esperando pra te ver sorrir
Pra poder seguir

Lembre que hoje vai ter pôr-do-sol
Esqueça o que falei sobre sair
Corra muito além da escuridão
E corra, corra!

Não desista de quem desistiu
Do amor que move tudo aqui
Jogue bola, cante uma canção
Aperte a minha mão

Quebre o pé, descubra um ideal
Saiba que é preciso amar você
Não esqueça que estarei aqui
E corra, corra!

Azul, vermelho
Pelo espelho
A vida vai passar
E o tempo está no pensamento...

Cidadão Quem - O Amanhã Colorido

--------------------
Primeira imagem: Autoria desconhecida.
Segunda imagem: Sami Mattar - Buffoon Happiness.
Terceira imagem: Maraldo - Walking in line.
Última imagem: Cindy_rs - Por do Sol em Porto Alegre.

domingo, 26 de abril de 2009

Responda, por favor

Qual destas músicas você é para mim?

a) Pública - Long Plays


b) Bidê ou Balde - Mesmo que Mude


c) Nando Reis & Os Infernais - Por onde andei


d) Outra - Qual?


Caso não tenhas notado a obviedade, existe uma resposta certa.

domingo, 29 de março de 2009

Romanticão (Safadeza n.º 0)

"Desnuda eres tan simple como una de tus manos:
lisa, terrestre, mínima, redonda, transparente.
Tienes líneas de luna, caminos de manzana.
Desnuda eres delgada como el trigo desnudo.

Desnuda eres azul como la noche en Cuba:
tienes enredaderas y estrellas en el pelo.
Desnuda eres redonda y amarilla
como el verano en una iglesia de oro.

Desnuda eres pequeña como una de tus uñas:
curva, sutil, rosada hasta que nace el día
y te metes en el subterráneo del mundo

como en un largo túnel de trajes y trabajos:
tu claridad se apaga, se viste, se deshoja
y otra vez vuelve a ser una mano desnuda."

Desnuda, Neruda.


Digo que vou pôr só a cabecinha, mas lá no fundo ela gosta.

___

sábado, 28 de fevereiro de 2009

Mulher

Mulher é um bicho muito doce para deixar na rua e muito selvagem para se ter em casa

Receba atualizações por e-mail (vá, não são mais de 2 posts por mês)